Look back again

janeiro 5, 2009

Em 1965, o diretor Albert Grossman acompanhou Bob Dylan durante a passagem de sua turnê pela Inglaterra e registrou não apenas os shows do músico por lá, como também os bastidores e entrevistas em que Dylan destila um pouco da sua filosofia, seu momento criativo e a relação com jornalistas e fãs. Este registro resultou no documentário Don’t Look Back, de onde se extraiu a clássica cena em que Mr Dylan canta Subterranean Homesick Blues segurando cartazes com trechos da letra da música. Tal cena pode ser considerada o marco inicial da era videoclíptica na música popular e já foi recriada inúmeras vezes em diversas paródias e citações (há algum tempo, até fiz um post sobre isso, lembra?).

Sempre gostei muito dessa cena, mas até aí, nada de novo. Pois hoje, lendo o livro Quando Eu Era o Tal – do qual eu pretendo falar aqui assim que terminar minha leitura, mas que conta a história de um jovem aspirante a poeta que em 76 resolve ir estudar na Escola de Poetas Desencarnados Jack Kerouac – descubro que a figura de longas barbas e espécie de ‘manta’ sobre os ombros que aparece ao lado de Dylan na cena é ninguém menos do que Allen Ginsberg. Dá uma olhada:

Para os que não sabem, Ginsberg foi um dos pilares da geração beat, poeta que junto a Jack Kerouac, Neal Cassady e William Burroughs criou nos anos 50 uma corrente estética e literária da contra-cultura que pregava a liberdade e o hedonismo, logo após um longo período de guerras e que, mesmo a contra-gosto de parte de seus autores, influenciou toda a geração hippie que viria a seguir. Morto em 97, uma de suas obras mais importantes é Howl (Uivo).

allen

Anúncios

FLIP 2008

julho 3, 2008

E começou agora a noite a sexta edição da Flip (Festa Literaria Internacional de Paraty). Este ano o evento homenageia Machado de Assis com debates com seus principais críticos, exposição, encenação de peças de teatro do autor e exibição das adaptações de algumas de suas obras para o cinema.

Aliás, este ano a relação com a sétima arte parece dar o tom das discussões na cidade. Estarão por lá Zoë Heller, autora de Notas Sobre um Escândalo, obra que deu origem ao filme, e Sérgio Bianchi e Fernando Carvalho em mesa sobre adaptações de Machado de Assis para o cinema e a TV. Acontecerá por lá também uma mostra paralela de filmes ligados à literatura, com exibições de Palavra Encantada, documentário de Helena Solberg, O Rio de Machado de Assis, de Nelson Pereira dos Santos, Quanto Vale ou é Por Quilo e Causa Secreta, de Sérgio Bianchi e a pré-estréia do novo longa-metragem de Lucrécia Martel, La Mujer Sin Cabeza.

Eu queria estar lá. Todo ano eu tento, mas nunca dá.

Encontro de criadores

maio 21, 2008

No último domingo, Fernando Meirelles foi a Portugal mostrar a José Saramago sua versão cinematográfica de Ensaio Sobre a Cegueira. O escritor português de 86 anos não anda muito bem de saúde e não pode comparecer à sessão de abertura do Festival de Cannes.

Apesar das críticas negativas que o filme anda recebendo, Saramago aprovou a obra e ficou feliz com o resultado. No blog do Merten, Meirelles diz:

“apesar de ter feito uma projeção muito escura e com um som ruim, ao acabar a sessão o Saramago estava muito emocionado e nós dois ficamos nos esforçando para não chorarmos juntos. Ele enxugou uma lágrima e eu num impulso beijei-lhe a testa. Foi muito emocionante.”

Em épocas virtuais, tal momento não passaria em branco. O vídeo da conversa entre eles já está na rede e o momento parece ter sido realmente especial:

Poema encontrado ao acaso

março 28, 2008

What are little boys made of?
Snips and snails, and puppy dogs tails
That’s what little boys are made of.
What are little girls made of?
Sugar and spice and all things nice
That’s what little girls are made of.

O Melhor do Mau Humor

dezembro 27, 2007

Apesar de O Melhor do Mau Humor ter sido lançado há quase 20 anos, só consegui lê-lo neste feriado. Trata-se de uma reunião de quase 1500 citações pacientemente coletadas por Ruy Castro, separadas alfabeticamente por temas e que falam dos mais variados assuntos com bastante amargura e sarcasmo. Olha só:

De todas as taras sexuais, não existe nenhuma mais estranha do que a abstinência. Millôr Fernandes

Os americanos são pessoas que ficam felizes quando conseguem acrescentar uma casa à sua garagem. George Bernard Shaw

O melhor amigo do homem é o uísque. O uísque é o cachorro engarrafado. Vinícius de Moraes

Eu digo à mulher que seu rosto é uma grande experiência para mim e que suas mãos são a minha alma – qualquer coisa para ela baixar as calcinhas. Charles Bukowski

Um repórter de rock é um jornalista que não sabe escrever, entrevistando gente que não sabe falar, para pessoas que não sabem ler. Frank Zappa

Os autores das pérolas vão de Kafka a Keith Richards, porém um dos campeões de citações, além de Gore Vidal, Groucho Marx e Woody Allen, é Nelson Rodrigues. As frases do dramaturgo brasileiro são tão boas e impactantes que ganharam um volume próprio, também organizado por Castro – que mais tarde viria a escrever sua biografia-, sob o título de Flor de Obsessão. Além disso, o organizador parece ter tanto gosto por citações que editou também O Amor de Mau Humor e O Poder de Mau Humor, volumes irônicos temáticos.

Ótimo pra achar a epígrafe perfeita para seu texto e uma boa leitura para o ônibus!

Google Books

dezembro 13, 2007

Eu não sei se isso já é conhecido de todos, mas descobri recentemente uma ferramenta de busca literária incrível, o Google Books. Mais do que meros textos, lá você encontra títulos bacanas em edições digitalizadas na íntegra como as belas obras publicadas pela editora Hedra, um romance da Prêmio Nobel de Literatura Doris Lessing ou uma edição crítica de A Paixão Segundo G.H. de Clarice Lispector. Ótimo para fazer pesquisa, comparar edições, dar uma olhada se aquele livro que você quer muito comprar vale mesmo a pena ou, se você tiver paciência, ler aquele romance enorme pelo qual você estava ansioso, mas não tinha dinheiro para comprar.

* dica do Victor, que também trabalha aqui no escritório comigo.